CRIE JÁ UM NOVO HÁBITO SAUDÁVEL PARA VOCÊ MESMO – INFORME-SE O MÁXIMO QUE PUDER COM O MÍNIMO DE TEMPO POSSÍVEL – LEIA O RESUMO PRINCIPAIS REVISTAS MUNDIAIS QUE CIRCULARAM NA SEGUNDA SEMANA DE JANEIRO DE 2018:


Ser presidente é como administrar um cemitério. Há um monte de gente embaixo de você, mas ninguém escuta.

A frase inspiradora do dia – de Bill Clinton


VOCÊ ! Uma pessoa melhor e mais bem sucedida!

Esta é a causa pela qual trabalhamos apaixonadamente aqui no blog do Maluco:)

Nossa missão é te servir cada vez melhor com conteúdos úteis e muito relevantes capazes de

contribuir para o aumento do seu valor pessoal e profissional.

Nossos maiores inimigos comuns são a falta de tempo, o stress, o tédio e a rotina nossa de cada dia.
VOCÊ – Uma pessoa mais bem informada em bem menos tempo – é o objetivo deste post.


Como você já sabe, ler é meu vício e compartilhar o que leio a minha missão na vida.

Eu adoro muito ler e gosto mais ainda de compartilhar o que leio como forma de contribuir para que você se sinta bem informado com o máximo de conteúdo e o mínimo de tempo e esforço necessário para isto.

Eu procuro respeitar muito o seu tempo e a sua inteligência e uso o blog do maluco para combater os nossos inimigos comuns = a falta de tempo, o stress, o tédio e a rotina nossa de cada dia.

Está sem tempo?

Então veja abaixo um resumo das notícias que você não deve perder, onde eu acrescentei meus comentários pessoais misturando-os com trechos das próprias revistas.:

Priorize sua leitura pelo tema que mais se repetiu nas diferentes capas de revistas da semana e que mais pode impactar diretamente o seu dia a dia – leia sobre Donald Trump e sobre Fake News – estes dois temas dominaram as capas e as principais matérias das revistas da semana.

Trump por seu jeito polêmico, desengonçado e vazio de governar e gerar resultados.

Fake News por causa do fenômeno das mídias sociais, onde as pessoas acham que plantando uma mentira, ela pode crescer e virar verdade. rs


Após uma lida das principais matérias das revistas semanais brasileiras, vi que os temas mais destacados foram:

Fake News – a Revista Veja destaca em sua matéria de capa o golpe das notícias falsas – numa capa com fundo laranja ela coloca a figura de um boneco em cor preta simulando um fantoche, uma marionete manipulada por outra pessoa, através de um comando manual que amarra as mãos e as pernas do boneco a uma haste de madeira em forma de cruz.

Colada à parte frontal do corpo do boneco, uma tela de smartphone na cor azul.

A revista mostra que, de acordo com pesquisas:

83% dos brasileiros temem compartilhar lorotas de internet.

Lula, Temer e Moro são os maiores alvos de quase tudo o que se inventa nas redes sociais, sendo Bolsonaro o alvo principal de mentiras positivas que procuram engrandecer sua biografia.

Uma forma de evitar divulgação de notícias falsas é checar a fonte e a veracidade das notícias que se pretende veicular e fazer a mesma checagem de veracidade daquelas notícias que você receber, antes de acreditar nelas cegamente.

Jamais acredite em estranhos, jamais acredite numa versão, procure ver os fatos com os seus próprios olhos.

No mundo de hoje, o melhor jeito de confiar é desconfiando.


Em outra matéria que aborda as Fake News ou Notícias Falsas, a Revista Época mostra uma imagem estilizada formada pela montagem da cabeça do presidente Trump  em tom alaranjado com o cabelo bem amarelo no corpo do passarinho azul símbolo da rede social Twitter.

O título da matéria é “Bomba Suja” para falar sobre Trunp e a guerra dos demagogos contra a imprensa – no fundo da capa aparecem várias páginas misturadas dos principais jornais americanos como NY Times, Los Angeles Times, Washington Post,…

Em seu conteúdo mais detalhado a matéria fala que Trump sequestrou os fatos e os travestiu de Fake News, sendo essa a principal estratégia do presidente dos Estados Unidos e de demagogos de todo o mundo na guerra contra a imprensa.

A Revista afirma que Trump mais discursa como candidato do que como presidente que de fato é.

Trump vive hostilizando e atacando a imprensa com uma voracidade poucas vezes vista no mundo ao invés de se concentrar em atos que de fato o façam entrar para a história como um homem com uma grande biografia.

A revista ainda fala que Trump quando se elegeu escolheu seus seguidores e definiu um inimigo : a imprensa e por consequência a verdade.

Pobre Trump, faz um esforço tremendo para manter seu poder talvez por que suas ações não sejam fortes o suficiente para mudar o mundo para melhor.

Pobre Trump!


A Revista Isto É traz uma análise resumida dos últimos anos 50 no Brasil = O título da matéria é : Da Rebeldia à Disruptura – numa capa com a parte de cima totalmente colorida ao redor do nome da Revista, ela mostra a imagem de várias celebridades que fizeram a história do país nestes últimos anos.

Lendo a matéria vemos que os tempos de hoje são melhores, apesar de todos os problemas, apesar de que o aumento da quantidade (éramos cerca de 90 milhões antes e somos mais de 200 milhões hoje) não garantiu um aumento da qualidade, principalmente em termos políticos e culturais.

Tivemos evoluções e melhorias em relação ao passado, mas o quanto o país poderia estar melhor se o rumo principalmente da política não tivesse sido melhor?

A Revista questiona se 2018 poderia ser tão transformador como foi 1968.


Já o tema da Revista Carta Capital dessa semana é “Como Salvar o Brasil” – em seu texto principal ela diz que “No País assaltado pelos poderes da República, os destinos de Lula e do Brasil coincidem”

Lendo a revista, que tem bom conteúdo, achei parcial a matéria, se desviando (em minha opinião) da missão de um órgão de imprensa que é o de informar e não de formar opiniões.

A parcialidade tira um pouco do brilho do bom conteúdo das matérias.


Já nas revistas de negócio que li esta semana, me chamou a atenção uma matéria da Revista Isto É Dinheiro que aborda em sua matéria de capa as ações filantrópicas de um dos brasileiros mais ricos do mundo, Jorge Paulo Lemann.

A revista lista uma série de sacadas filantrópicas do bilionário, reportadas como táticas de um bilionário.

Riqueza combina com filantropia, em todo o mundo, algumas das pessoas mais ricas, mais importantes e influentes do planeta têm investido no retorno de parte do dinheiro que ganharam para a sociedade.


Um passeio pelas revistas internacionais mostrou o seguinte panorama :

A Edição da revista The Economist abordou o aniversário de um ano do governo Trump.

O polêmico presidente aparece dentro de um carrinho de bebê rodeado de brinquedos espalhados pelo chão.

A revista lembra que passado um ano desde a posse, é preciso espremer muito para tirar algum conteúdo de sentido das ações de Trump.

Celebrado com uma verdadeira bomba, o Livro “Fogo e Fúria” do jornalista Michael Wolff que já é campeão de vendas nos Estados Unidos.

O governo Trump esbanja casos polêmicos ao mesmo tempo em que mostra escassez em ações de impacto e de resultados relevantes para os americanos e para o mundo.

Seu governo tem tido uma avaliação tão negativa que até a sanidade do presidente está sendo questionada.

Às vezes, ele é citado como um menino mimado que brinca de Tweets o dia inteiro.

A revista diz que tudo isso acontece com a Economia americana crescendo a uma taxa de 3% ao ano se descolando da política como acontece no Brasil.

A revista diz que Trump ameaça mais do que executa, tanto boas como más ações.

Em resumo, entre erros e acertos, a revista questiona a capacidade e a competência para conduzir um país como os Estados Unidos, ainda que seus antecessores, menos polêmicos tenham também deixado muito a desejar em termos de resultados concretos.

Se eu tivesse que resumir o presidente Trump em uma única expressão, eu o chamaria de “biscoito de polvilho,” pois o danado só faz barulho e mais nada.


Já a Revista Time também aborda o presidente Trump e seu confuso jeito de governar.

Na imagem de capa Trump é comparado com um palito de fósforos em chama, sendo seu cabelo a cabeça do palito todo iluminada por um fogaréu amarelo.

Na matéria Trump é chamado de “O Não Presidente” e seu estilo é analisado para se chegar à conclusão de que ele nunca mudará.

A revista analista Trump contra vários outros presidentes que o antecederam mostrando um enorme gap no estilo de liderança e condução séria do país por parte do atual mandatário do cargo.

A revista questiona como Trump pode desejar ser um líder se ele não demonstra ter metas claras, uma agenda e uma estratégia consistente de governo.

A revista também dá um passeio pelo governo Trump usando o recém publicado livro do Jornalista Wolf como guia turístico.

Trump é hilário, confuso, desorganizado, ele é um monte de coisa junto, menos um grande líder de uma grande nação, em minha modesta opinião.

Tomara que ele surpreenda a todos até o final do seu mandato, se ele o concluir, com ações de impacto e resultados nunca antes vistos no mundo até hoje, tudo indica que não, mas quem sabe?


E em outra matéria de capa com o presidente Trump, a revista New Yorker mostra o presidente dentro de um buraco, dentro de um bueiro de rua, podendo ser identificado apenas pelo seu inconfundível cabelo e penteado.


Segundo o Los Angeles Times, Trump termina seu primeiro ano de mandato com um triste recorde = o menor índice de aprovação de um presidente em seu primeiro mandato em toda a história dos Estados Unidos. Ele obteve a baixa média de 39% de aprovação.

Para se defender Trump está tentando se escorar no lado positivo da Economia, que se deve mais às consequências de ações de governos anteriores do que ações do seu governo.

Pobre Trump!


Para encerrar esse post com uma trilha sonora inspiradora, escolhi a música :

I MISS YOU – Clean Bandit


Veja a capa das revistas que eu li para preparar este resumo para você :


V

  • Twitter
  • LinkedIn
  • Google+
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Google+
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Google+
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Google+
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Google+
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Google+
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Google+

Sobre Mauro Condé [ MaLuCo:) ] 2743 Articles
Nascido em Belo Horizonte, Mauro Lúcio Condé carrega uma bagagem profissional de muito prestígio. De simples operário, Condé chegou à diretoria da General Eletric e também passou por grandes empresas como EDS e GEVISA, mas consagrou de vez sua carreira no Citibank, do qual foi Diretor Executivo de Qualidade e depois como executivo do Banco Itaú e Telefônica. As mais de quatro décadas de experiências levaram Mauro Condé a abrir sua própria empresa de consultoria e ministrar palestras no Brasil e no mundo.
Contato: Twitter

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será divulgado.


*