UM SEGREDO BEM ESCONDIDO – CRÔNICA DE GUARDANAPO DE DOMINGO

Para ilustrar esta crônica, escolhi a obra de arte, o quadro – pintura óleo sobre tela – “A Governanta” do pintor francês Jean Baptiste Simeon Chardin de 1739.


Já passava do meio dia.

Ela entrou no quarto.

A luz estava apagada, o lugar estava super quieto e a janela fechada.

Esticou o braço, foi até o interruptor e teve uma surpresa quando a luz se acendeu.

O local estava arrumado e perfumado, como ela nunca tinha visto antes.

Foi em direção à janela e com um toque a abriu para a entrada dos raios solares.

Por alguns minutos, ficou ali em pé,  pensativa parada diante da cômoda.

Tomou coragem, se abaixou e abriu a primeira gaveta.

Outra surpresa – a gaveta tinha uma grande toalha por cima dos outros objetos.

Ela puxou a toalha e descobriu que aquela grande e funda gaveta estava repleta de livros.

Enxugou uma lágrima que rolou por seus olhos provocada um sentimento de susto e de lembrança.

Lembrança porque ela se encontrava ali no quarto daquela que tinha sido a empregada da família por mais de duas gerações e que tinha acabado de ser enterrada naquela manhã, vítima de uma morte súbita enquanto fazia seu trabalho.

Susto porque ela tinha acabado de descobrir o grande segredo que a querida empregada carregou por toda a sua vida – durante anos, desde que começou a se entender por gente, ela ouviu a própria empregada dizer que era semi analfabeta e que seu maior sonho era poder um dia escrever um livro.

O segredo é que ela nunca tinha revelado que devorava livros daquele jeito.

Curiosa com a revelação, ela foi puxando todos os livros um a um, ficou surpresa com a erudição daquela pessoa pela qual nutria sentimentos de admiração e dó ao mesmo tempo.

A velha e querida empregada sempre falava do grande medo da morte que a assombrava por toda a vida e com a qual ela tinha acabado de se encontrar.

Ela mostrava algum arrependimento pelas escolhas que tinha feito ao longo da vida e agradecia muito àquela família por ser o seu porto seguro para não cair no mar da solidão.

E por fim ela descobriu que a empregada tinha encontrado nos livros algumas das respostas que ela mais buscava para seus questionamentos a respeito do sentido e do significado da vida.

Ela foi puxando todos os livros, um a um, até que descobriu lá no fundo, um envelope grande fechado com seu nome nome do lado de fora.

Surpresa e com as mãos trêmulas, ela abriu o envelope e encontrou um maço de páginas manuscritas enroladas por um elástico.

Na primeira página tinha um título :

“O Livro da Minha Vida”

 

Sobre Mauro Condé [ MaLuCo:) ] 2657 Articles
Nascido em Belo Horizonte, Mauro Lúcio Condé carrega uma bagagem profissional de muito prestígio. De simples operário, Condé chegou à diretoria da General Eletric e também passou por grandes empresas como EDS e GEVISA, mas consagrou de vez sua carreira no Citibank, do qual foi Diretor Executivo de Qualidade e depois como executivo do Banco Itaú e Telefônica. As mais de quatro décadas de experiências levaram Mauro Condé a abrir sua própria empresa de consultoria e ministrar palestras no Brasil e no mundo.
Contato: Twitter

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será divulgado.


*