Como rebater e refutar argumentos difíceis de maneira rápida e inteligente

Quem na vida já não passou por uma situação assim: diante de outra pessoa, numa conversa ou em público tendo que rebater uma afirmação ou uma crítica e não encontrando as palavras nem o argumento mais rápido e inteligente na hora do debate?

Quem já não teve a sensação de se sentir mudo ou paralisado na hora de ter que responder a alguém? E pior, de só conseguir elaborar uma resposta boa e inteligente minutos ou horas depois de passado o momento exato?

Certas pessoas alegam sentir até inveja daqueles personagens de livro ou de cinema super ágeis mentalmente que são capazes de rebater ou refutar um argumento ou uma crítica feroz e até hostil com a maior rapidez e inteligência possível. O que elas talvez não saibam é que para dar aquela resposta certa, rápida e muito inteligente em fração de segundos, o personagem dependeu de um autor, de um diretor ou de vários roteiristas que se debruçaram em cima daquele diálogo por dias ou até meses na busca da palavra ou da frase perfeita.

Na vida real, a coisa é bem diferente, você não acha? Várias pessoas acham dificílimo refutar ou rebater teses, argumentos ou críticas com rapidez e sucesso ao mesmo tempo. Tem gente que desejaria até ter aquele super poder de adivinhar o pensamento das outras pessoas com antecedência suficiente para se preparar e rebater os argumentos da forma mais bem sucedida possível.

Foi pensando nesta situação que escrevi este post com o intuito de compartilhar uma técnica que uso para estas situações muito críticas e importantes na nossa vida. Como rebater ou refutar uma tese, um argumento ou uma crítica em conversas pessoais, reuniões, apresentações ou palestras.

Criei para estes momentos uma técnica que apelidei de [ I.D.E.I.A.] cujas letras tem um significado todo especial quando estou de frente de uma outra pessoa tendo que refutar seus argumentos. Ela prevê que em primeiro lugar, quando você estiver numa situação difícil e delicada de ter que debater idéias em particular ou em público, você deve lançar mão de dois comportamentos muito importantes:

  1. Aja da forma mais natural possível, seja 100% você nestes momentos. Não queria imitar ou parecer outra pessoa que você não é.
  2. Ative o seu botão de calma e paz, pois quanto mais calmo você estiver nestas horas mais agilidade mental você terá para responder à altura.

Agindo naturalmente, com calma e tranqüilidade faça uso da técnica [I.D.E.I.A] da seguinte forma, primeiro repita a afirmação da pessoa, se possível por escrito, com as suas palavras para ganhar tempo, impulso e para acionar o gatilho da resposta inteligente no seu cérebro. Depois tente analisar rapidamente o argumento contrário, utilizando o I e o D do método I.D.E.I.A em busca de uma das duas constatações. Verifique se o argumento foi colocado em forma de objeção à sua idéia por (I) Incompreensão ou por Percepção de alguma Desvantagem (D) no que você acabou de falar.

A minha experiência e os longos anos de prática me provaram que em somente 1% ou menos das vezes você se deparará com alguém tentando combater sua idéia por percepção de desvantagem e se este for o caso, não queria ganhar a discussão, assuma que a pessoa descobriu alguma falha ou alguma desvantagem no seu argumento ou na sua idéia, demonstre humildade, reconheça e agradeça a pessoa pela ajuda e incorpore a idéia contrária ao seu argumento de forma a torná-lo mais robusto.

Mas se você perceber que a objeção está acontecendo por causa de uma (I) Incompreensão (99% ou mais das vezes será esta a razão da discordância) – trate de refazer seu argumento, de clarificar o ponto de forma a torná-lo mais claramente compreendido e verifique seu opositor mudando de opinião e concordando com seu argumento depois de tê-lo entendido e compreendido melhor.

Alem do ID (Quebra do argumento adversário em Incompreensão ou Desvantagem) eu ainda lanço mão, às vezes, de outros três recursos que ajudam muito neste momento, uso o resto do método I.D.E.I.A, ou seja, eu ativo o E, o I e ou o A, da seguinte forma: uso o E (Evidência do contrário) em busca de um contra exemplo que prove que a ideia da outra pessoa não se aplica, ou então eu procuro uma (I) um ponto de Inconsistência no que a pessoa está dizendo de forma desmontar seu argumento. E se ainda precisar, uso o A do método, buscando por um sentido mais (A) Amplo do tema para reforçar o meu próprio argumento.

Usando assim o [I.D.E.I.A] – Quebra do argumento em (I) ncompreensão ou (D)esvantagem e análise do ponto de vista contrário em busca de um contra exemplo ou (E)vidência do Contrário, (I)nconsistência ou (A) Ampliação do sentido e do contexto eu costumo me sair bem na maioria dos debates que participo.

Durante uma palestra para executivos de uma grande multinacional, eu fui confrontado por um participante a respeito da minha fala sobre a importância da meritocracia. Assim que a outra pessoa terminou seu breve discurso contra a ideia, dizendo que a meritocracia não funcionava na prática, eu ativei o recurso do I.D.E.I.A e consegui convencê-la dando o contra-exemplo do Messi. O jogador do Barcelona já foi eleito o melhor do mundo várias vezes e por este motivo é mais bem pago que os seus colegas e isso não afeta o seu grupo de trabalho. O próprio executivo reconheceu que o time do Barcelona é também o time mais vitorioso dos últimos tempos e poderia ter sido influenciado por uma experiência ruim na aplicação do processo e não na meritocracia em si.

Vale lembrar aqui que contra argumentar não é derrubar nem humilhar o outro de forma pessoal ou em público, evite a todo custo o desdém, a ridicularização e o uso do sarcasmo com a outra pessoa que se mostrou contrária à sua idéia. Procure deixar sempre uma saída honrosa para ela, de tal forma que você seja percebido como uma pessoa inteligente e respeitosa ao mesmo tempo, isto aumenta muito a sua credibilidade diante das outras pessoas.

E para finalizar, gostaria de encerrar com um exemplo que ilustra lindamente o uso do método I.D.E.I.A. de forma eficaz na hora de refutar ou rebater uma tese, um argumento ou uma crítica.

O médico tinha acabado de ser ovacionado e aplaudido de pé depois de apresentar a sua tese que correlacionava o incrível aumento da longevidade dos seres humanos e animais e a prática regular de exercícios físicos – ele defendeu esplendorosamente a tese de que quanto mais um ser humano ou um animal se exercita, corre, caminha ou faz alguma atividade física diária, mais ele aumenta seus anos de vida. O público foi ao delírio com a inteligência dos seus argumentos.

Só que na hora da sessão de perguntas e respostas, um Japonês que assistia à palestra do fundo da sala, se levantou e perguntou como o médico encaixaria dentro de sua tese o exemplo da tartaruga, dizendo que a tartaruga não faz exercício físico, é reconhecida como lenta ou quase parada ao longo de uma vida que chega a durar 100 anos.

Sob o olhar atento da platéia, o médico olhou para o Japonês, coçou a cabeça e disse:

-Veja bem, eu concordo plenamente com você, a tartaruga praticamente não faz atividade física e vive até mais do que 100 anos em média. E enquanto você elaborava a sua pergunta eu fiquei pensando. – Puxa! Ele tem razão. Sem fazer nada do que eu preguei a tartaruga vive mais de 100 anos. Mas e se ela fizesse exercícios físicos, quantos anos mais viveria? Chegaria aos 300?

Sobre Mauro Condé [ MaLuCo:) ] 2702 Articles
Nascido em Belo Horizonte, Mauro Lúcio Condé carrega uma bagagem profissional de muito prestígio. De simples operário, Condé chegou à diretoria da General Eletric e também passou por grandes empresas como EDS e GEVISA, mas consagrou de vez sua carreira no Citibank, do qual foi Diretor Executivo de Qualidade e depois como executivo do Banco Itaú e Telefônica. As mais de quatro décadas de experiências levaram Mauro Condé a abrir sua própria empresa de consultoria e ministrar palestras no Brasil e no mundo.
Contato: Twitter

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será divulgado.


*