Fugindo do tédio e da rotina usando o Google Street View

“A felicidade não é um destino onde chegamos, mas sim uma maneira de viajar.”

Frase que li num pára-choque de caminhão – Maluco:)

Viagem ao passado

Em uma das minhas muitas palestras motivacionais, eu estava na sessão de perguntas e respostas quando alguém da platéia me pediu uma dica de passatempo para de vez em quando fugir do tédio e da rotina. Eu citei algumas das que pratico, mas uma em especial parece ter chamado mais a atenção do público presente pelo seu lado inusitado: fazer uma viagem no tempo, indo até o passado através do Google Street View.

Expliquei que o Google Street View é um recurso do Google Maps criado para disponibilizar vistas panorâmicas e permitir que seus usuários vejam partes de algumas regiões do mundo ao nível do chão /solo, ou seja, para fazer uma viagem virtual no espaço. Para fugir do tédio, eu inovei transformando-o numa ferramenta para viajar no tempo, e pelas melhores memórias de nossas vidas.

Eu ilustrei este passatempo com um exemplo pessoal. Certa vez me lembrei de um lugar muito especial na minha vida, um modesto campinho de futebol que ficava numa pequena rua que cruzava com a avenida que ligava o caminho da minha casa até a minha escola, quando eu era garoto.

Aquele lugar foi provavelmente um dos lugares onde eu mais me diverti em toda a minha vida. Sempre quando a gente saía da escola, depois da última aula, meus colegas e eu corríamos em direção ao campinho para jogar nossas tradicionais peladas de futebol. Aquele campinho parecia um lugar mágico, encantando, onde a gente dava asa ao nosso sonho de infância de ser um famoso jogador de futebol.

Lembro-me dele por causa do local, do cheiro agradável da grama e principalmente por causa de um som que a gente sempre escutava quando estávamos lá. O som era do coro que os meninos faziam toda vez que saia um gol para qualquer um dos times que estivessem disputando uma partida – parecia uma disputa particular e paralela ao gol marcado – a disputa para ver quem gritava mais alto: É GOL! É GOL! É GOL!

O campo e som foram tão marcantes na minha vida que até hoje, quando estou assistindo a uma partida de futebol pela TV ou ouvindo pelo rádio e escuto o grito de GOL, eu me lembro daqueles bons momentos da minha infância. O som chamava a atenção de todas as pessoas que passavam por aquela rua e era tão marcante que nós apelidamos aquele lugar como o Campinho do Gol.

Aproveitando que o computador ainda estava ligado e projetava a página final da minha apresentação, eu acessei dali mesmo o Google Street View e refiz o caminho do Campinho do Gol para a platéia acompanhar a experiência.

Eu mostrei a um monte de gente com os olhos arregalados prestando atenção na viagem virtual à minha infância e como era o trajeto atual entre os dois endereços (de casa e da escola) – fui mostrando a Avenida até chegar naquela pequena rua e que para minha frustração, no lugar do Campinho do Gol hoje existe uma concessionária de veículos.

Deveria ser tombado como patrimônio histórico! – exclamei em tom de protesto pelo fato do Campinho do Gol da minha infância ter se transformado numa concessionária de veículos.

Estava prestes a sair da tela, quando um aluno pediu para dar um zoom exatamente no local onde ficava o campinho. Para minha surpresa e surpresa geral da plateia havia uma faixa que se estendia de um lado ao outro da rua com os seguintes dizeres: “AQUI TEM GOL!” Uau! A platéia foi ao delírio neste momento.

Empolgados com aquela dica, os participantes da palestra perguntaram se podiam improvisar um tour pelo caminho virtual das lembranças da infância de algum voluntário da plateia. Olhando para o relógio, vi que ainda tínhamos tempo, então devolvi a ideia para os presentes perguntando quem gostaria de ser o cobaia.

Uma jovem sentada no meio da platéia levantou a mão e em seguida, quando recebeu o microfone, começou a falar de uma rua muito especial numa cidade do interior, onde morou quando era bem pequena. Era onde se escondia atrás da mureta que dava acesso para a sua casa, ficava esperando sua irmã mais velha para lhe aplicar um grande susto e colocar o pé na frente para que ela caísse em cima do depósito permanente de areia que existia naquela época.

Depois que ela contou a sua história eu a convidei para pilotar o computador e refazer o trajeto onde morava. Outra vez a experiência foi interessante, ela constatou que a rua fotografada pelo Google Street View já não era mais de terra e tinha sido asfaltada de ponta a ponta, apesar de que a casa onde ela morava estava lá do mesmo jeito até hoje e pintada da mesma cor, azul piscina.

Quando chegou ao endereço da sua moradia, ela resolveu fazer o mesmo que eu tinha feito e aplicou zoom exatamente em cima da casa. Constatamos então, que apesar de estar asfaltada, a rua não se encontrava em bom estado e coincidentemente em frente ao local onde ela brincava com a irmã havia uma espécie de buraco irregular no asfalto na forma estilizada de uma pessoa caída no chão, com o braço direito para o alto e esquerdo na altura da cintura. Uau! Que descoberta, não?

E você, que tal tentar este exercício ai no seu computador agora? Pense em um local de estimação da sua infância, um trajeto que você fazia e de uma experiência muito marcante que você viveu ali. Que tal refazer este trajeto através do Google Street View e ver se acha algo curioso e inusitado?

Gostou da nossa dica? Leia mais em Crônicas de Guardanapo do Maluco:).

Sobre Mauro Condé [ MaLuCo:) ] 2743 Articles
Nascido em Belo Horizonte, Mauro Lúcio Condé carrega uma bagagem profissional de muito prestígio. De simples operário, Condé chegou à diretoria da General Eletric e também passou por grandes empresas como EDS e GEVISA, mas consagrou de vez sua carreira no Citibank, do qual foi Diretor Executivo de Qualidade e depois como executivo do Banco Itaú e Telefônica. As mais de quatro décadas de experiências levaram Mauro Condé a abrir sua própria empresa de consultoria e ministrar palestras no Brasil e no mundo.
Contato: Twitter

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será divulgado.


*