VIVER É CORRER RISCOS O TEMPO TODO – VEJA UM ESPORTE QUE NOS ENSINA A ARTE DE CORRER GRANDES RISCOS NA VIDA SEM GRAVES CONSEQUÊNCIAS :

  • Twitter
  • LinkedIn
  • Google+


“Não tenha medo de dar um grande passo. Você não pode atravessar um abismo em dois pequenos saltos. “

A frase inspiradora do dia de – David Lloyd George

CORRER RISCOS SEM MORRER


Texto original publicado na coluna semanal sobre Gestão de Carreiras, Vida e Gestão de Empresas

Link – http://hoje.vc/18pg3

Autor : *Mauro Condé


Breve história sobre correr riscos :

Naquela manhã, Aron, um alpinista experiente, saiu de casa para mais uma aventura radical.

Ele escalou as pedras do Blue John Canyon, em Utah-Estados Unidos.

Tudo ia muito bem até que, no caminho de volta, Aron sentiu a pedra faltar aos seus pés e acabou escorregando e caindo no fundo de uma estreita fenda.

Era o início de uma martírio que duraria exatos 5 dias e 7 horas.

Preso a uma pedra, sem comida, sem água suficiente e sem celular, Aron precisou se valer de sua imaginação, inteligência e enorme vontade de superação para conseguir sobreviver.

Para saber mais dessa história leia o livro ou assista ao filme “127 horas”.

A história acima ilustra uma situação muito comum em nossas vidas: Correr riscos e tomar decisões difíceis, onde precisamos perder algo muito importante para talvez ganhar.

Nesses momentos que estratégia devemos adotar para correr riscos sem perder a vida?

Primeiro precisamos saber que, ao contrário do que parece, Risco não é para ser evitado, Risco é para ser administrado.

E como administrar bem os riscos que a vida nos impõe periodicamente?

A história acima ilustra o esporte que mais nos ensina a administrar riscos – o alpinismo.

O alpinismo é a melhor metáfora para o ato de termos que encarar riscos durante a vida.

O bom alpinista, o bom corredor de riscos, é um mestre em analisar a situação e separar a probabilidade da gravidade e das consequências.

Se um alpinista estiver no topo de uma montanha com 8 mil metros de altitude e precisar pular para outra montanha de igual tamanho, antes de pular ele precisa analisar a probabilidade e a gravidade ou a consequência da queda.

Se a distância entra as duas montanhas for de 50 metros, a probabilidade do alpinista cair é altíssima e a gravidade ou a consequência da queda é fatal. Neste caso, o alpinista jamais se arrisca.

Por outro lado, se as montanhas estiverem distantes uma da outra apenas separadas por um vão de 50 cm, a gravidade ou consequência da queda também será fatal, mas a probabilidade disto acontecer será praticamente nula.

Diante da baixa probabilidade, o alpinista certamente se arrisca.

Não deixe de correr riscos na vida só por medo da gravidade ou consequências dos mesmos, avalie a sua probabilidade de ocorrência e siga em frente, caso esta seja muito baixa.

Afinal, um navio parado no porto é muito mais seguro, mas não é para isso que um navio existe.


*Condé é Palestrante, Consultor e Fundador do Blog do Maluco


Para fechar este post e iluminar seu passos rumo aos maiores riscos que você ainda vai tomar na vida em direção ao seu sucesso, escolhi como trilha sonora a música :

Sorte Ou Azar – com Barão Vermelho:

Sobre Mauro Condé [ MaLuCo:) ] 2691 Articles
Nascido em Belo Horizonte, Mauro Lúcio Condé carrega uma bagagem profissional de muito prestígio. De simples operário, Condé chegou à diretoria da General Eletric e também passou por grandes empresas como EDS e GEVISA, mas consagrou de vez sua carreira no Citibank, do qual foi Diretor Executivo de Qualidade e depois como executivo do Banco Itaú e Telefônica. As mais de quatro décadas de experiências levaram Mauro Condé a abrir sua própria empresa de consultoria e ministrar palestras no Brasil e no mundo.
Contato: Twitter

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será divulgado.


*